Para-raio: O que é e Principais Tipos

para-raios-condominio

Você sabe como funciona um para-raio? Compreenda como esse equipamento de segurança funciona e avalie se seu prédio precisa de um!

Todo mundo já deve ter presenciado, pelo menos uma vez na vida, uma tempestade bem no centro de uma cidade.

Foi em meio a uma tempestade dessas no dia 15 de junho de 1752 que o americano Benjamin Franklin resolveu provar algumas de suas suposições científicas e acabou criando para-raio.

Aquela tempestade de raios, para muitos, pode causar grande aflição, mas, quando temos esse equipamento a nosso favor, conseguimos passar com segurança por esses momentos.

Mas você sabe, exatamente, como funciona este equipamento indispensável para a segurança de alguns prédios?

Saiba mais agora sobre os tipos, como fazer a instalação desse, como e quanto cada tipo de para-raio protege, inclusive em quantos metros.

Conheça os nossos serviços de Mão de Obra para condomínios

Como funciona o para-raio?

como-funciona-para-raiosUm para-raio é uma haste de metal conectada em cabos de alumínio ou de cobre, que vão até o chão.

A forma desse equipamento deve ser pontiaguda justamente porque, dessa forma, ela pode oferecer um caminho para a dissipação da corrente elétrica.

Embora se acredite que esses equipamentos atraem a descarga, isso não é necessariamente verdade.

O raio encontra na haste pontuda do equipamento uma forma de ser conduzido para o solo, seu destino final corriqueiro.

Uma vez “atraídos”, os raios são imediatamente puxados para o solo, sem que causem qualquer tipo de dano que comprometa, por exemplo, os aparelhos eletrônicos nas residências.

O para-raio protege quantos metros?

O grau de proteção deste equipamento depende, necessariamente, da altura em que ele está posicionado.

Para fazermos um cálculo de como funciona esse grau de proteção, basta observarmos sempre a altura em que ele está instalado.

Se ele está instalado em uma altura de 60 m, o equipamento oferece uma proteção de 60 m em área de cone, supondo o topo do para-raio como o ponto mais alto da formação geométrica.

Em níveis de proteção, podemos considerar que:

  • Nível I: instalado em até 20m;
  • Nível II: instalado em até 30m;
  • Nível III: instalado em até 45m;
  • Nível IV: instalado em até 60m.

Quanto mais alto for o nível do equipamento, maior será, portanto, a proteção que ele oferece.

Tipos de para-raio

Existem dois tipos de para-raio, conforme podemos ver a seguir.

Para-raios Franklin

São feitos por três hastes de metal pontiagudas, que são ligadas, por meio de cabos de cobre ou de alumínio, ao solo.

Esse é o tipo de equipamento mais comum contra raios e é muito eficiente ao conduzir a descarga elétrica para o solo.

Para-raios de Melsens

Este tipo de equipamento tem a mesma função que o tipo mais comum, mas funciona também como um mecanismo que repulsa as ondas elétricas disparadas pela atmosfera.

A sua ação é similar à de uma gaiola de Faraday, de forma que envolve todas as construções com fios metálicos com hastes metálicas, totalmente aterradas ao chão, neutralizando as descargas de raios.

Problemas que o raio pode causar em seu condomínio

para-raios-para-condominio

Uma descarga elétrica pode ocasionar a queima de equipamentos elétricos ligados à energia no momento da queda do raio.

Isso pode causar um grande prejuízo tanto para os moradores quanto para o próprio condomínio, que pode ter prejuízos com seus equipamentos de segurança, por exemplo.

É por conta disso que é tão importante que cada condomínio conte com seu equipamento de segurança contra raios, seja ele de que modelo for.

Essa instalação contribui com a conservação material dos bens dos moradores e com a própria conservação dos bens do condomínio.

Por que é importante instalar o para-raio

Os raios oferecem riscos para a estrutura de um prédio, para equipamentos elétricos, para animais e para pessoas, quando estiverem em áreas abertas.

Por conta disso e para que possamos contribuir com a preservação dos bens e do bem estar dos moradores do nosso condomínio, é essencial contar com um para-raio.

Este tipo de equipamento, quando instalado de forma correta e devidamente aterrado, pode realmente salvar vidas e prevenir acidentes graves, como incêndios ou comprometimentos estruturais de um prédio.

Regras e normas para instalação

Algumas regras e normas devem ser seguidas para que a instalação deste tipo de equipamento de segurança seja eficaz.

Confira, agora, cada uma delas!

Norma NBR 5419

A NBR 5419 é um documento criado pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) e trata de quais condições um projeto deve ter para que receba a proteção obrigatória contra descargas atmosféricas.

Tal norma estabelece que todas as estruturas comuns que são utilizadas para fins habitacionais, agrícolas, comerciais e administrativos superiores a 10 metros devem ter fixado em sua estrutura um para-raios.

O que é SPDA e como saber se o meu condomínio precisa

O para-raios também pode receber o nome de Sistema de Proteção para Descargas Atmosféricas (SPDA) e a sua instalação é obrigatória em prédios a partir de 10 metros de altura de natureza comercial ou residencial.

Em escolas, repartições públicas, hospitais e outros congêneres de atividade pública, a estrutura deve ser colocada em qualquer ambiente com área superior a mais de 1,2 mil metros quadrados.

Quem faz a verificação da instalação do SPDA é o Corpo de Bombeiros.

Altura mínima para instalação

A NBR 5419 é o documento que guia a instalação desse equipamento no Brasil.

Segundo o documento, todas as edificações com mais de 10 metros de altura devem ter um equipamento de proteção contra descargas atmosféricas fixado em sua estrutura.

Isto assegura os moradores ou usuários do espaço público contra acidentes causados por descargas atmosféricas, bem como permitiria que os bens resguardados no edifício se mantivessem seguros.

Cuidados para a manutenção de para-raio em prédios antigos

A manutenção do equipamento envolve uma série de cuidados que devem ser observados já no momento de sua instalação:

  • Deve-se monitorar a qualidade e a integridade dos cabos condutores, sobretudo avaliando se não estão quebrados ou oxidados;
  • Tanto as hastes quanto os isoladores devem estar devidamente esticados e, sobretudo, bem fixados à estrutura do prédio;
  • Sempre deve ser observada a integridade da luz piloto do equipamento, que sempre deve permanecer acesa;
  • A caixa d ‘ água do prédio também deve estar aterrada, bem como as antenas de telecomunicação que o prédio possa ter.

Melhor época do ano para realizar manutenção

No Brasil, a maior incidência de chuvas se concentra na primavera e no verão, chegando a 90%.

Portanto, nos meses em que há maior incidência de chuva, devemos ficar bem longe da manutenção desses equipamentos, sobretudo porque nestas ocasiões a chuva pode se formar de maneira repentina.

Leia também: Entenda o que é manutenção predial e como ela pode garantir a segurança dos moradores do seu condomínio

Conclusão

Conforme vimos, o Brasil é um dos maiores campeões em formação de raios e, por conta disso, contar com um equipamento de proteção contra descargas atmosféricas é essencial.

Existem dois tipos de para-raios e ambos são muito seguros para moradores e usuários de ambientes públicos.

A adoção do equipamento, segundo a norma técnica que predispõe sobre sua instalação e a manutenção, é obrigatória em edifícios com mais de 10m de altura.

Verificar se o seu prédio precisa contar com um para-raios ou se a manutenção dele é feita de maneira adequada é essencial para a segurança de todos os moradores, animais e, também, para os seus bens eletrônicos.